Quando há deficiência ou excesso de proteínas atuantes na coagulação do sangue, aumento de proteínas ou células, características de desequilíbrio do fluxo sanguíneo, damos o nome de sangue grosso, porque ele fica mais espesso, viscoso, do que deveria.

Mas o que significa? É preciso se preocupar diante de uma situação como essa? Continue acompanhando este artigo para saber as respostas para esses questionamentos, os sintomas associados, porque acontece e como proceder.

Diagnóstico do Sangue Grosso

Por se tratar de uma alteração do fluxo de sangue, o diagnóstico da hipercoagulabilidade, como também é conhecido, depende de uma consulta com um profissional, que vai analisar o histórico de saúde, possíveis fatores de risco e exames de sangue (coagulograma, dímero D, hemograma completo, entre outros que podem ser solicitados conforme a necessidade).

Sintomas

Apesar de o sangue grosso não apresentar sintomas, é possível que surjam sinais associados à formação de coágulos sanguíneos, principalmente:

  • Alteração da visão;
  • Comprometimento da fala;
  • Confusão mental;
  • Dificuldade para respirar ou fazer a ação rapidamente;
  • Dor (na cabeça repentina, intensa nas pernas e no peito, assim como em outras áreas do corpo);
  • Falta de ar intensa que pode ser repentina;
  • Falta de força;
  • Inchaço em uma das pernas;
  • Náusea e/ou vômito;
  • Pele pálida e fria, assim como o suor;
  • Perda de sensibilidade unilateral;
  • Rosto assimétrico;
  • Sensação de calor;
  • Sensação de desmaio;
  • Tosse constante com possibilidade de sangramento;
  • Vermelhidão.

Fatores de Risco

Conforme brevemente explicado, o sangue grosso é causado pelo excesso ou deficiência de proteínas que fazem parte da coagulação, e aumento da produção de imunoglobulinas e glóbulos brancos ou vermelhos, por exemplo. Do mesmo modo que também pode surgir quando o paciente está desidratado, em jejum prolongado ou por causa de uma gastroenterite.

Além disso, alguns fatores de risco influenciam no seu desenvolvimento, sendo eles:

  • Anticoncepcional oral;
  • Câncer;
  • Colesterol elevado;
  • Deficiência de anticoagulantes naturais;
  • Deficiência de vitaminas B6, B12 ou folato;
  • Diabetes;
  • Doenças autoimunes;
  • Doenças cardíacas;
  • Doenças resultadas de infecções;
  • Excesso de enzimas;
  • Ficar acamado;
  • Fraturas de ossos;
  • Gravidez ou puerpério;
  • Medicamentos específicos;
  • Mutações nas células formadoras de sangue ou fatores de coagulação;
  • Obesidade;
  • Permanecer por um longo período de tempo na mesma posição;
  • Pressão alta;
  • Realizar uma viagem de longa duração sem os devidos cuidados;
  • Repousar por muito tempo;
  • Sedentarismo;
  • Tabagismo;
  • Entre outros.

Possibilidades de Complicações

Recupere a Saúde das suas Pernas!
Agende uma Consulta Vascular Hoje.

Ao apresentar sangue grosso, há um aumento nas chances de ocorrer a formação de coágulos, dificultando a passagem de sangue nos vasos, o que acaba influenciando no surgimento de complicações, tais como, acidente vascular cerebral (AVC), embolia pulmonar, infarto e trombose.

Diante desta possibilidade e conforme mencionado, a pessoa pode apresentar sintomas associados à complicação que possa acometê-la, tais como, dor (de cabeça e no peito, por exemplo), inchaço nos membros inferiores e perda de força.

Opções de Tratamento

Como tratamento, o médico especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular pode prescrever medicamentos para evitar a formação ou desfazer os coágulos, como os anticoagulantes, indicar a ingestão diária de no mínimo 2 litros de água e recomendar uma alimentação saudável e o tratamento da causa associada à origem do sangue grosso.

Logo, é fundamental procurar ajuda imediata após o início dos sintomas para que sejam devidamente tratados e as complicações evitadas ou controladas, a depender do quadro apresentado juntamente com o sangue grosso no momento em que o auxílio médico é providenciado.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:
Diga Adeus às Dores nas Pernas.
Reserve a sua Consulta Vascular.