A trombose é uma condição que pode provocar diversas alterações na vida do paciente, mesmo após o ocorrido. A chamada Síndrome pós-trombótica pode ser observada a médio e longo prazo em pessoas que apresentam quadros de trombose venosa profunda.

Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre a síndrome pós-trombótica e quando ela pode acontecer.

Trombose

A trombose é uma condição de saúde vascular caracterizada pela formação de coágulos sanguíneos em veias superficiais ou profundas, localizadas principalmente nos membros inferiores.

Os principais sinais que um paciente de trombose pode observar são dores, inchaço, formigamento, vermelhidão e sensação de calor na região afetada, geralmente na panturrilha ou nas coxas. Existem casos, no entanto, em que a trombose se torna assintomática, ou seja, o paciente não percebe sintomas ou sinais.

O Que Causa A Trombose

A condição é geralmente desencadeada por qualquer coisa que reduza o fluxo sanguíneo dentro das veias ao longo do corpo humano. Podemos dizer que as principais causas da trombose são a imobilidade, seja por procedimentos cirúrgicos ou por longo período de tempo sentado em lugares apertados com pouco espaço para circulação como carros, ônibus ou aviões.

Além disso, ferimentos e fraturas, condições como o câncer, insuficiência cardíaca, infecções graves ou uso de medicamentos como os anticoncepcionais também podem se tornar fatores de risco para o desenvolvimento de coágulos sanguíneos.

Como Tratar a Trombose

O tratamento para a trombose poderá ser realizado a partir de medicações que reduzem o risco de coagulação sanguínea, em casos mais leves da doença. Já quando os quadros se encontram em estágio avançado, pode ser sugerida a realização de procedimentos cirúrgicos para a retirada do coágulo sanguíneo.

A Síndrome Pós-Trombótica

A Síndrome pós-trombótica é considerada uma complicação relativamente tardia que pacientes diagnosticados anteriormente com trombose podem apresentar a médio e longo prazo, mesmo após o tratamento completo do coágulo sanguíneo.

Caracterizam-se como síndrome pós-trombótica casos onde há a persistência de sintomas como dor e inchaço nas pernas comprometidas anteriormente pela doença.

Por que Ocorre a Síndrome Pós-Trombótica

Não se sabe ao certo o motivo pelo qual um paciente já tratado volta a apresentar sintomas de trombose. No entanto, acredita-se que a própria condição pode desencadear inflamações e danos nas válvulas das veias que podem persistir até mesmo depois do coágulo ser retirado.

Outra hipótese levantada é que as veias afetadas pelo coágulo se mantenham obstruídas por fibroses ou cicatrizes decorrentes da condição anteriormente.

Como Evitar a Síndrome Pós-Trombótica

Apesar de não ter cura, é possível que pacientes que tenham enfrentado a trombose possam evitar o surgimento da síndrome pós-trombótica. As especificações devem ser passadas por seu médico vascular de confiança e incluem o uso de medicamentos anticoagulantes e meias elásticas de compressão.

Além disso, pode ser recomendada a prática de exercícios físicos leves para manter o bom funcionamento do sistema vascular.

Se você já teve trombose ou possui histórico familiar da doença, não deixe de consultar um profissional especializado periodicamente para realizar check-ups vasculares e garantir que sua circulação não corre nenhum risco.

Mais Informações sobre este assunto na Internet: