Aneurismas Venosos, que se tratam de malformações vasculares incomuns, atingindo ambos os sexos e independentemente da idade, são caracterizados por uma massa dolorosa sob a pele e observados após causar embolia pulmonar, principalmente quando se localizam na região inferior.

Conceito de Aneurismas Venosos

Com origem grega e significando “alargamento”, os aneurismas venosos são uma dilatação da veia, em que a parede costuma estar esticada ou enfraquecida, resultando em um maior risco de ruptura.

Sendo assim, as veias comumente afetadas são a cava superior (responsável por drenar o sangue que surge da cabeça e dos membros superiores com destino ao coração), e as poplíteas (carregam sangue da articulação do joelho e dos músculos na coxa, e da parte posterior da panturrilha em direção ao coração).

Considerados quadros raros e de causas incertas, as mesmas podem estar associadas aos defeitos congênitos e às alterações degenerativas ou inflamatórias. E são classificados em saculares e fusiformes, que significam, respectivamente, uma dilatação que surge como um saco em uma parte das paredes dos vasos e uma dilatação alongada em forma de fuso das paredes da veia.

Nas extremidades superiores e veias do pescoço, o aneurisma venoso raramente é relatado, porque permanece assintomático e sem relevância clínica. Em outros casos, dor e sensibilidade podem ser descritas em associação ao aneurisma da veia jugular, mas sem complicação grave observada.

Tipos de Aneurismas Venosos

Os aneurismas venosos – com tendência a serem associados a TVP (trombose venosa profunda) e EP (embolia pulmonar) quando se tratam de quadros de sistema profundo – são classificados de acordo com a sua localização, sendo:

  • Abdominais: com possibilidade de afetar qualquer veia da região, os locais frequentemente atingidos são as veias mesentérica superior e porta (geralmente, sintomática e com presença de sangramento gastrointestinal);
  • das extremidades inferiores: se tratando de um diagnóstico comum, a veia poplítea é normalmente afetada, seguida da femoral e safena magna. E, geralmente, são descobertos durante a investigação para doença tromboembólica ou em uma ultrassonografia com Doppler para doença venosa crônica;
  • do pescoço e da face: raros, normalmente, congênitos, naturalmente benignos, são comumente observados na veia jugular interna, tanto em crianças quanto em adultos jovens. Especificamente na região do pescoço, apresentam-se em forma de massa macia, resultando em um aumento do esforço expiratório com a glote fechada, com indicação de procedimento por motivações estéticas;
  • Torácicos: em sua maioria envolvendo a veia cava superior e sendo grandes, com diâmetro médio de 6 a 7 cm, tendem a ser assintomáticos e observados em exames de imagem periódicos. Além disso, um aneurisma de alargamento pode produzir sintomas como dor localizada e/ou dispneia, e complicações tromboembólicas e ruptura do aneurisma, consideradas raras.

Possíveis Causas

Diga Adeus às suas Dores.
Reserve a sua Consulta de Hematologia.

Conforme brevemente mencionado, as possíveis causas para o desenvolvimento de aneurismas venosos incluem o processo de degeneração, resultando em afinamento das camadas elásticas e musculares na parede venosa normal; após estresse mecânico prolongado; a obstrução venosa mecânica, os defeitos congênitos (no público infantil) e a invasão venosa neurofibromatose (em adultos).

Sintomas

Os sintomas dependem da região acometida. Logo, quem apresenta aneurismas do sistema profundo tendem a observar dor nas extremidades associada a uma massa e um inchaço ocasional, mas sem edema.

Aneurisma do sistema superficial apresenta dor e massas relacionadas a um inchaço moderado e nas extremidades. Enquanto isso, normalmente, os pacientes que apresentam aneurismas venosos na veia jugular interna ou axilar apresentam massas assintomáticas, por exemplo.

Diagnóstico dos Aneurismas Venosos

Embora a maioria dos aneurismas venosos superficiais seja palpável e facilmente comprimida, o diagnóstico costuma surgir após uma exploração cirúrgica. Mas existem formas de providenciá-los, o que envolve a venografia, as ultrassonografias tridimensional e quadridimensional, a tomografia computadorizada e ressonância magnética, que são exames capazes de fornecer informações detalhando a anatomia venosa.

Tratamento

Alguns motivos que justificam o tratamento dos aneurismas venosos incluem a associação a demais condições e o risco de morte, por exemplo. Por isso, a médica especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular indica as disponibilidades de tratamento conforme a localização da condição.

No caso dos aneurismas da veia jugular interna, por exemplo, é necessário uma observação da evolução, um acompanhamento por meio de um Eco-Doppler e, normalmente, não há necessidade de retirada, diferentemente dos demais, que são avaliados e devidamente tratados.

Além disso, a reconstrução venosa após a retirada por meio de procedimento cirúrgico tende a ser indicada. Enquanto isso, os aneurismas venosos superficiais tendem a ser tratados por ligadura e excisão simples.

Sem contar que as complicações tromboembólicas são comumente observadas em pacientes com aneurismas envolvendo o sistema vascular profundo, dependendo de um pronto diagnóstico e tratamento efetivo, que são providenciados pela médica especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular, que igualmente está apta a lidar com demais condições vasculares e as necessidades que tendem a surgir com o tempo.

Mais informações sobre este assunto na Internet:

Artigo Publicado em: 11 de dez de 2019 e Atualizado em: 12 de dez de 2023

Sinta suas Pernas Leves Novamente.
Agende uma Consulta com o Especialista Vascular.